Acne: preparamos um guia com tudo o que precisa de saber

A preocupação com a aparência não é algo novo, mas com o passar dos anos essa preocupação tem se intensificado, tanto entre as mulheres quanto entre os homens – já que os cuidados com a aparência estão deixando de ser um tabu para o sexo masculino.

Mas quando pensamos na aparência, o que nos vem à mente? O nosso rosto e a nossa pele, por serem essas as primeiras partes que as outras pessoas enxergam. Entretanto elas estão suscetíveis a diversas doenças, entre elas, a mais comum por sua alta incidência que é a acne.

A acne é uma doença que não discrimina ninguém, aproximadamente 85% da população mundial sofrerá ou sofre de acne em algum momento da vida, o significado disso é que tanto homens quanto mulheres padecem dessa doença.

É importante que entendamos “o que é a acne?”, para que que possamos tratá-la e evitar suas consequências como cicatrizes, hiperpigmentações e problemas emocionais1. Por isso nesse artigo iremos discutir não só o que é a acne, como suas causas, significados, tipos, consequências físicas e psicológicas, como evitá-la e por fim seus tratamentos.

Termos importantes

Para que esse artigo seja melhor compreendido falaremos do significado de algumas palavras que não usamos no nosso cotidiano, já que são de uso médico, mas que são importantes para a leitura desse texto:

  • Queratina: proteína presente na pele, nas unhas e no cabelo, fornece maleabilidade a esses.
  • Colágeno: proteína presente na pele, nas unhas, no cabelo e principalmente nas cartilagens, sendo responsável pela elasticidade dos mesmos.
  • Bactéria: microrganismo que pode ser benéfico (protegendo nosso organismo, como as presentes no nosso intestino que são responsáveis pela digestão) ou maléficas como a causadora da acne.
  • Propionibacterium acnes: é a espécie de bactéria mais comum na formação da acne. Ela consome a secreção produzida pelas glândulas sebáceas, o sebo, e quando entra em contato com os poros da pele cheios de sebo, leva à inflamação, resultando na formação da acne. 
  • Hormônios sexuais (hormônios esteroides): os hormônios estrogênio, progesterona e testosterona.
  • Glândulas sebáceas: glândulas presentes nos poros da pele que produzem o sebo.
  • Abscessos: bolhas repletas de inflamação de até 2cm de diâmetro.
  • Fístulas: aberturas profundas na pele repletas de inflamação.
  • Hiperpigmentação: escurecimento da pele pelo acúmulo de melanina, isso acontece quando ocorre algum tipo de lesão que fere os melanócitos, ou seja, as células produtoras de pigmento da pele.

O que é acne?

O que é a acne? Podemos dizer que a acne (do grego ákhné, significado de eflorescência) é uma doença inflamatória que afeta principalmente as glândulas sebáceas que possuem uma célula produtora de pelos anexa. Quando as glândulas sebáceas começam a produzir sebo em excesso, temos a formação de comedões, pápulas, pústulas, nódulos e cistos que são os sintomas/lesões da acne2,3.

Normalmente a acne se localiza nas áreas da pele em que há mais glândulas sebáceas e que são sensíveis aos hormônios sexuais como rosto, pescoço, peito, costas e ombros. Quanto as lesões elas podem ser inflamadas, não inflamadas, externas ou internas e podem ou não deixar cicatrizes na pele3.

A acne é uma doença complexa, pois vários fatores estão envolvidos no seu desenvolvimento, por isso sua causa é classificada como multifatorial. Entre esses fatores temos a queratinização da pele (proteína que é a base da formação da pele, cabelo e unhas, junto ao colágeno), o excesso de produção de sebo, a contaminação bacteriana (Propionibacterium acnes) e os problemas inflamatórios4.

Quais as causas da acne?

A acne começa durante a puberdade, normalmente aos 11 anos de idade para as meninas e aos 12 anos de idade para os meninos. Isso porque nesse momento da vida, há um aumento da produção de hormônios sexuais, em especial a testosterona e o estrogênio, hormônio sexual masculino e feminino respectivamente. Esses hormônios promovem o aumento da produção de sebo e de colágeno que contribuem para a formação da acne5,6.

Contudo os hormônios são apenas uma das causas da acne, outros fatores importantes a serem levados em consideração para formação dessa doença são:

  • Excesso de produção de sebo: isso geralmente ocorre por causa de uma pré-disposição genética, por problemas hormonais, pelo uso de algumas medicações como os corticoides e pela limpeza repetitiva da pele (quando a pele produz mais sebo para se reidratar do ressecamento causado pela limpeza repetitiva). Uma vez que a pele produza sebo em excesso, geralmente esse se conecta aos restos de pele morta e produz os comedões ou pontos negros. Ou ainda pode acontecer um processo inflamatório, no caso de uma infecção bacteriana, onde teremos os pontos amarelos;
  • Excesso de produção de queratina ou hiperqueratinização: normalmente acontecequando a queratina se acumula nos poros conectando-se ao sebo e por fim formando comedões, em geral os pontos brancos;
  • Colonização bacteriana: a formação da acne através da infecção pela Propionibacterium acnes, que acontece quando essa bactéria entra nos poros da pele e começa a consumir o sebo presente ali, causando a acne;
  • Processo inflamatório: esse tipo de acne está conectado a produção de insulina em excesso pelo organismo. Isso normalmente acontece quando se ingere alimentos com alto índice glicêmico (hidratos de carbono refinados), que aumentam os níveis da insulina no sangue gerando um processo inflamatório que leva a acne7.

Entende-se assim o significado da acne ser uma doença multifatorial, já que quem padece da mesma, além de uma pré-disposição genética também sofre com alguma outra causa envolvida na formação da doença, principalmente quando ela acontece durante a vida adulta.

Quais os sintomas da acne?

Os sintomas mais comuns da acne são:

  • Vermelhidão, ou aspecto vermelho da pele;
  • Inchaço, elevação da pele;
  • Dor, coceira ou desconforto no local da lesão;
  • Pápulas, cistos vermelhos e incômodos;
  • Comedões, pontos negros, são as glândulas sebáceas obstruídas por sujidades ou restos de pele morta;
  • Pústulas, pontos amarelos, são as glândulas sebáceas vermelhas, infectadas e que apresentam inflamação/pus aparente8;

Tipos de lesões da acne

A acne é classificada conforme os tipos das lesões que estão presentes na pele, sendo classificada em graus que vão de I a V, conforme a gravidade.

  • Acne grau I, não inflamatória, apresenta predomínio de comedões ou pontos negros;
  • Acne grau II, inflamatória, há predomínio de lesões pápula-pustulosas além dos comedões;
  • Acne grau III, inflamatória, além das lesões da acne grau II também tem prevalência de nódulos e cistos;
  • Acne grau IV, é primeira forma severa de acne com múltiplos nódulos inflamados, abscessos e fistulas;
  • Acne grau V, tem os sintomas da acne de grau IV seguidos de febre alta e dores nas articulações, sendo a forma mais grave da acne9.

Quais os tipos de acne?

Existe na literatura diversos tipos de acne, nem todas as formas da doença são apenas a acne comum, na verdade os tipos de acne iram variar conforme as causas dela.

  • Acne vulgaris: é a acne comum, que começa na puberdade e vai até os 25 anos de idade. Tem as lesões características na forma de comedões e pústulas, geralmente é dolorida e diminui com o passar dos anos.
  • Acne nas costas: é uma forma mais grave da acne, geralmente causada por problemas hormonais, uso de roupas apertadas e uso de medicamentos à base de esteroides (testosterona).
  • Acne hormonal: normalmente causada por desequilíbrios hormonais, correlacionados com a testosterona, ao estrogênio e a insulina.
  • Acne da mulher adulta: acne que acontece após os 25 anos de idade em mulheres adultas, vítimas da síndrome dos ovários policísticos ou de alguma outra doença.
  • Acne na gravidez: se desenvolve normalmente no segundo trimestre de gestação, pelo aumento da produção de estrogênio e testosterona, que estão envolvidos com o desenvolvimento fetal.
  • Acne neonatal: acontece normalmente a partir da segunda semana de vida do recém-nascido e vai até o terceiro mês, são pequenas lesões pápulares, formadas por uma reação alérgica aos hormônios que o bebê recebe da mãe durante a gestação e a lactação.
  • Acne cosmética: lesões acneicas formadas pelo uso excessivo de cosméticos ricos em componentes que são capazes de obstruir os poros da pele.
  • Acne por suplementação alimentar desportiva: esse tipo de acne se forma após o consumo de suplementos alimentares, feitos à base de hidratos de carbono refinados como a maltodextrina e de proteínas do soro de leite como o whey protein.

Cicatrizes da acne

As principais consequência que a acne deixa na pele são as cicatrizes e as machas (hiperpigmentação), isso normalmente acontece porque a pessoa espremeu ou cutucou as lesões das acnes de grau I e II.

Porém quando falamos das acnes de grau III, IV e V, elas acontecem inevitavelmente devido a gravidade da doença, e mesmo com o uso de medicações não há como evitá-las, apenas tratá-las10. Os tipos de cicatrizes deixadas por esse tipo de acne são:

  • Atróficas, são aqueles buracos ou depressões que se formam na pele, deixando-a irregular. Isso acontece porque há uma perda de colágeno e de gordura no local em que estava a lesão da acne.
  • Hipertróficas, geralmente são nódulos e queloides (que é a acumulação de tecido cicatricial no local da lesão) que se formam na pele, trazendo a aparência de inchaço, no local onde estava a lesão. Essas acontecem porque há uma deposição de colágeno exacerbada na tentativa de restaurar a pele a sua normalidade11.

Infelizmente as cicatrizes e marcas deixadas pela acne, tem um tratamento complexo e são uma das principais causas de problemas psicológicos entre as pessoas que sofrem ou sofreram dessa doença. Pois, as consequências são aparentes e mechem não só com o aspecto estético da pele, como com a aparência da pessoa.

Fatores de risco para a acne

Há alguns fatores de risco para a acne, que podem desencadeá-la ou piorar os casos pré-existentes, alguns desses fatores são:

  • Uma dieta muito rica em hidratos de carbono refinado (rica em açúcar e farinha branca);
  • Consumo excessivo de leite de vaca e produtos lácteos;
  • Uso de tabaco;
  • Uso de esteroides anabolizantes por atletas ou fisiculturistas;
  • Período pré-menstrual e menstruação;
  • Estresse e ansiedade.

Como evitar a acne?

Como a acne está ligada a diversas causas, mas em especial ao excesso de produção de sebo pela pele e a infecção bacteriana, algumas medidas que podem ajudar a prevenir o problema são:

  • Lave gentilmente a pele todos os dias;
  • Não esfregue a pele nem esprema as espinhas para que a inflamação não se espalhe e não surjam cicatrizes;
  • Evite a exposição da pele ao sol;
  • Lave o cabelo com frequência;
  • Evite o uso de maquiagem em excesso;
  • Evite produtos cosméticos a base de óleo;
  • Evite usar roupas de tecido sintético;
  • Tenha uma dieta balanceada;
  • Tenha um hobby e evite o estresse12.

Consequência psicológicas da acne

A literatura já comprovou os efeitos da acne sobre a autoestima das pessoas que sofrem com essa doença. Os problemas de saúde mental mais comumente referidos são depressão, ansiedade, comportamento antissocial e pensamento suicida.

A gravidade dessas doenças mentais são proporcionais a importância que essa pessoa dá a sua aparência, ou seja, seu grau de vaidade13.  Podendo ser desencadeada pela percepção que a pessoa tem sobre a gravidade do seu problema. Dessa forma, as pessoas que não veem a acne como um problema grave, tem menor pré-disposição a problemas psicológicos. Entretanto as pessoas que veem seu problema com a acne maior do que ele realmente é, tem maior tendência a problemas psicológicos.

Sendo assim, os grupos de pessoas mais vulneráveis aos problemas mentais causados pela acne são os adolescentes e as mulheres, isso porque existe uma cobrança social maior por uma aparência “perfeita” entre essas pessoas.

Isso significa que diariamente esses grupos sofrem com a acne, pois eles têm sua atratividade, imagem corporal, relações interpessoais e sexualidade colocados a prova a todo momento.

E essa pressão tem a capacidade de gerar graves problemas emocionais, não só pelas lesões aparentes da doença em si, mas também pelas consequências que ela deixa como as cicatrizes e hiperpigmentações14.

Dessa forma é muito importante que a pessoa procure além dos cuidados de um médico dermatologista, auxílio psicológico, para tratar os possíveis traumas causados pela doença.

Tratamento para a acne

O tratamento para a acne e para suas consequências (as cicatrizes e a hiperpigmentação) é primariamente prolongado, e secundariamente multidisciplinar, isso quer dizer que vários profissionais estarão envolvidos. Entre eles temos os médicos dermatologistas, endocrinologistas e psiquiatras, além de esteticistas, que juntos iram tratar todos os aspectos da acne, tanto físico quanto emocionais.

Os princípios para o tratamento das lesões da acne são a redução da produção de sebo e da inflamação, além de acelerar a cicatrização e a renovação da pele machucada. Todavia para escolher o tratamento são levados em consideração o grau de gravidade da acne, a presença ou não de nódulos e os tipos de cicatrizes formadas:

Tratamento da acne de grau I

Nesse tipo de acne o tratamento é mais estético e dependente de cosméticos, como sabonetes neutros, esfoliantes, hidratantes em sérum e bloqueadores solares. Os componentes mais utilizados são o ácido salicílicos, o enxofre e o peróxido de benzoíla, que em pequenas quantidades promovem a renovação celular, tratando dessa forma as lesões e as marcas deixadas pela a acne.

Tratamento da acne de grau II

Além do tratamento cosmético com maior concentração dos componentes previamente citados, também se faz uso em alguns casos de antibióticos como a azitromicina e a clindamicina, assim como a aplicação do ácido retinóico em creme (que tem a capacidade de minimizar a formação de novas lesões e tratar as cicatrizes)15.

Tratamento da acne de grau III

Nesse caso há a presença de causas secundárias a formação da acne, como problemas hormonais ou uso excessivo de cosméticos, por isso o tratamento de partida já inicia com o uso de antibióticos. E caso a acne não melhore, há a indicação de uma dose leve de Isotretinoína, junto ao tratamento da doença que está causando a acne.

Ainda há a indicação de tratamentos estéticos especializados como os peelings, os lasers, a luz pulsada e a microdermoabrasão, que majoritariamente iram tratar as cicatrizes e a hiperpigmentação deixadas pela acne na pele16,17.  

Tratamento da acne de grau IV e V

Nesses casos não se faz mais o uso de antibióticos, o tratamento padrão é a Isotretinoína, já que esses são os casos mais graves de acne. O acompanhamento com um médico dermatologista, um ginecologista e um endocrinologista é essencial, para tratar o que está causando a acne e evitar as consequências do uso desse medicamento.

A isotretinoína é um derivado da vitamina A, que primariamente era utilizada no tratamento do cancro de pele, entretanto com o passar dos anos se tornou o padrão ouro para o tratamento da acne. E isso significa que ela tem uma taxa de cura para a acne acima de 90%, tratando as lesões pré-existentes e ainda impedindo a formação de novas lesões.

A isotretinoína atua inibindo a produção de sebo pelas glândulas sebáceas, através do ressecamento das glândulas sudoríparas e sebáceas por todo o corpo. Por conta disso é comum o ressecamento não só da pele, como da boca, do orifício nasal, dos olhos e dos cabelos.

Entretanto existem contraindicações ao uso da isotretinoína, já que ela é metabolizada no fígado e pode causar problemas como cirrose, hepatite e o aumento dos níveis do colesterol e dos triglicerídeos. Além de ser teratogênica, ou seja, causar má formação fetal e não poder ser usada por gestantes ou lactantes, como consequência.

Por isso quando ela é indicada como tratamento, o paciente precisa de um acompanhamento médico mensal, para evitar as consequências do uso dessa substância e para ter efetividade na cura da acne.

Entretanto importa saber que os tratamentos para as cicatrizes da acne só poderão ser feitos após o final do tratamento com a Isotretinoína, pois a pele ficará sensibilizada e suscetível a mais traumas no caso do uso de ácidos e lasers durante o uso desse medicamento15.

Conclui-se que o tratamento da acne, em seus diversos graus, é complicado e demanda muito da pessoa, por isso é necessário comprometimento para fazer o uso das medicações, dos cosméticos e dos tratamentos estéticos indicados para a recuperação dela.

Conclusão

Por fim, deve-se levar em consideração que a acne é uma doença que irá afetar a maioria das pessoas e que geralmente não é grave, desaparecendo até os 25 anos de idade. Caso ela seja mais grave é importante a busca de auxílio médico para entender os motivos de seu agravamento e fazer o tratamento adequado.

O uso de uma equipe composta de diversos profissionais evitará as possíveis consequências psicológicas e estéticas que essa doença pode deixar. Por isso de forma alguma faça uso de nenhuma substância citada nesse artigo sem prescrição por parte de um profissional especializado, e não tente tratar acne por conta própria para não ter consequências que não poderão ser tratadas futuramente. 

Bibliografia

  1. SILVA, Ana Margarida Ferreira da et al. Acne vulgar: diagnóstico e manejo pelo médico de família e comunidade. Revista Brasileira de Medicina de família e comunidade. Rio de Janeiro. Março, 2014.
  2. NEIVA, Fililipa. Acne. Serviço de Pediatria do Hospital de Braga. Outubro, 2019.
  3. HASSUM, Karime Marques. Acne: etiopatogenia. Anais Brasileiros de Dermatologia. Rio de janeiro, 2000.
  4. KAMINSKY, Ana.  Acné: un enfoque global. 1ª ed. Colegio Ibero-Latinoamericano de Dermatología. Buenos Aires, 2007.
  5. RIBEIRO, Beatriz de Medeiros et al. Etiopatogenia da acne vulgar: uma revisão prática para o dia a dia do consultório de dermatologia. Surgical & Cosmetic Dermatology. rio de Janeiro, 2015.
  6. COSTA, Adilson. Fatores etiopatogênicos da acne vulgar. Anais Brasileiros de Dermatologia. São Paulo, 2008.
  7. FIGUEIREDO, Américo et al. Avaliação e tratamento do doente com acne – Parte I: Epidemiologia, etiopatogenia, clínica, classificação, impacto psicossocial, mitos e realidades, diagnóstico diferencial e estudos complementares. Revista Portuguesa de Clínica Geral. Portugal, 2011.
  8. AYER, J; BURROWS, N. Acne: more than skin deep. Postgraduate Medical Journal. Agosto, 2006.
  9. ZUCHETO, Gabrieli; BRANDÃO, Mariana; TASQUETTO, Ana; ALVES, Marta. Acne e seus tratamentos: uma revisão bibliográfica. XV Simpósio de Ensino Pesquisa e Extensão. Outubro, 2011.
  10. SADOVE, R. Injectable Poly-L-Lactic Acid: A novel sculpting agent for the treatment of dermal fat atrophy after severe acne. Aesthetic Plastic Surgery. Janeiro, 2009.
  11. FABBROCINI G.; ANNUNZIATA M.C.; D’ARCO V.; DE VITA V.; LODI G.; MAURIELLO M.C.; PASTORE F.; MONFRECOLA G. Acne scars: pathogenesis, classification and treatment. Dermatology Research and Practice. Março, 2010.
  12. Biblioteca Virtual em Saúde – BVS. O que devemos fazer para prevenir e tratar a acne na adolescência? Atenção Primária em Saúde – Traduzindo o conhecimento científico para a prática do cuidado à saúde. Rio grande do Sul. Agosto, 2013.
  13. TEIXEIRA, Vera. Impacto psicossocial da acne. Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venerologia. Julho, 2012.
  14. FRIED, R.G.; WECHSLER, A. Psychological problems in the acne patient. Dermatologic Therapy. Agosto, 2006.
  15. KRAFT, John; FREIMAN, M.D. Management of acne. Canadian Medical Association or its licensors – CMAJ. Abril, 2011.
  16. SANTANA, Cândida Naira Lima e Lima et al. Microagulhamento no tratamento de cicatrizes atróficas de acne: série de casos. Surgical & Cosmetic Dermatology. Rio de Janeiro, 2016.
  17. ALLGAYER, Natacha. Cicatrizes de acne vulgaris – revisão de tratamentos. Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venerologia. Portugal, 2014.