Tratamentos para a acne

A acne é uma doença muito comum entre a população, atingindo tanto homens como mulheres, especialmente a partir da puberdade. A generalidade das pessoas passa por um quadro normal de acne em algum momento da sua vida, acabando esta por desaparecer com o simples passar do tempo.

No entanto, em alguns casos a acne poderá exigir tratamento especializado, não apenas por razões estéticas, mas para preservar a saúde da pele do doente. De uma forma geral os tratamentos para a acne focam-se em reduzir a produção de óleo pela pele, acelerar a renovação das células, combater à infeção, reduzir a inflamação e tratar possíveis consequências como cicatrizes e / ou manchas.

Regra geral, por serem invasivos e prolongados, os tratamentos para graus mais graves de acne, devem ser sempre prescritos e acompanhados por um médico dermatologista, e feitos mediante vários fatores, designadamente:

  • O grau de gravidade desta doença de peles;
  • Os tipos de lesões (comedões, pústulas, pápulas, cistos, nódulos e fístulas);
  • A região do corpo onde estão localizadas as lesões;
  • O estado de saúde geral do doente.

Ao considerar todos estes fatores a probabilidade de os tratamentos resultarem aumenta significativamente1

Principais tratamentos para a acne

A gravidade da acne é classificada em 5 graus

Os tipos de tratamento mais amplamente difundidos são com recurso a cremes, gel, sabonetes, antibióticos (orais e em cremes) e isotretinoína oral, sendo estes escolhidos em função dos sintomas da acne. Em casos ainda mais graves poderá haver necessidade da utilização de corticosteroides (ou corticoides) e tratamentos estéticos como peelings, lasers, microdermoabrasão, subincisão, preenchimento subcutâneo, microcirurgias, entre outros2.

Neste artigo abordamos os principais tratamentos para diversos graus de gravidade desta doença, bem como os tratamentos para as cicatrizes e manchas que a acne pode deixar na pele

Tratamento para a acne de grau 1

Neste tipo de acne temos poucas lesões, com a predominância de comedões e algumas pústulas. Normalmente, não é necessário nenhum tipo de tratamento, acabando a acne por passar com o tempo, designadamente com o início da vida adulta.

Caso as lesões se tornarem persistentes, poderão ser utilizados sabonetes e esfoliantes à base de ácido salicílico, enxofre e peróxido de benzoíla, bem como cremes à base de ácido glicólico e retinol. São ainda indicados tratamentos de cariz estético como a limpeza de pele, peelings químicos e a abrasão que, para além de eliminarem os comedões e as pústulas, promovem a renovação da pele3.

Tratamento para a acne de grau 2

A acne de grau 2 é mais grave que a acne de grau 1, já que as lesões estão em maior quantidade e há inflamação. Por isso, além dos tratamentos com sabonetes, esfoliantes e cremes à base de ácidos e retinol, em alguns casos, também de poderá fazer uso de antibióticos.

Os antibióticos utilizados contra esse tipo de acne são a eritromicina e a clindamicina, presentes em cremes e pomadas e utilizados sobre as lesões, ou ainda a tetraciclina e azitromicina presentes em comprimidos e utilizados por via oral1,4. O seu objetivo é reduzir a inflamação e controlar a propagação bacteriana, para que a acne não se espalhe.

Tratamento para a acne de grau 3

A acne de grau 3 é já considerada grave. Por isso mesmo, o padrão de tratamento tende a ser o recurso a antibióticos (em cremes e via oral), assim como o uso de doses leves de isotretinoína, caso a acne tenha uma componente hormonal. Nas mulheres é comum o uso de contracetivos mulheres3,4,5.

O tratamento da acne de grau 3 tende a tentar reduzir a produção de sebo, evitar a infeção e ainda impedir a formação de cicatrizes e manchas, que só poderão ser tratados com tratamentos estéticos depois.

Tratamento para a acne de grau 4

A acne grau 4 é um tipo de acne muito grave e apresenta todos os tipos de lesões possíveis, sendo prevalente os cistos, nódulos e fístulas. Este tipo de acne não “responde” a tratamentos cosméticos com sabonetes, esfoliantes e cremes, bem como a antibióticos, o que a torna altamente resistente. Por isso mesmo, a isotretinoína é o tratamento padrão da acne de grau 4.

Tendo em consideração os efeitos teratogénicos (má formação fetal) da isotretinoína, nas mulheres este medicamento é usado combinado com contracetivos, de forma impedir uma eventual gravidez.

Embora a isotretinoína seja capaz de curar a maioria dos casos de acne, não poderá ser utilizada por algumas pessoas, nomeadamente aquelas que sofrem com problemas gastrointestinais e hepáticos, ou ainda por mulheres gravidas (em caso de gravidez faz-se o uso de corticoides)6.

Em alguns casos, poderá haver recurso a microcirurgias para limpeza das lesões e necessidade de internamento hospitalar caso surja febre e infeção generalizada.

Tratamento para a acne de grau 5

A acne grau de 5, também conhecida como acne fulminante, é a mais grave e rara de todos os graus desta doença de pele. A acne fulminante estende-se por grandes áreas do corpo e afeta as articulações e os músculos, causando dores e febre. Por isso mesmo, o seu tratamento é hospitalar, sendo comumente utilizados corticoides e anti-inflamatórios durante o internamento, para além de medicamentos para problemas secundários que possam ser causados por este tipo de acne4,6.

Isotretinoína

A isotretinoína ou roacutan (nome comercial) é um fármaco que contém na sua fórmula uma substância derivada da vitamina A, que previamente era utilizada em tratamentos de cancro de pele. Com o passar do tempo, esta substância passou a ser indicada para o tratamento de casos graves de acne e rosácea, bem como quando os casos mais leves de acne se mostravam resistentes aos tratamentos cosméticos ou com recursos a antibióticos7.

A isotretinoína atua reduzindo a produção de sebo pelo organismo ao ressecar as glândulas sebáceas presentes em toda a superfície da pele, daí ser extremamente eficiente.

Não podemos deixar de referir que são comuns efeitos colaterais quando se faz uso da isotretinoína. A título de exemplo, mencionar o ressecamento da pele, do cabelo, das mucosas e dos olhos. Poderá ainda causar pode causar problemas hepáticos como a cirrose e a hepatite.

Desta forma, é particularmente importante que, fazendo uso desta substância, o doente seja acompanhado por um médico dermatologista e vá realizando vários exames, designadamente o da função hepática8.

Tratamento cosmético da acne

Os tratamentos cosméticos são normalmente utilizados em casos leves de acne

Os tratamentos cosméticos da acne normalmente são utilizados em casos mais leves da doença ou nas cicatrizes e manchas, de casos mais graves. Sendo os tratamentos mais comuns o uso de peelings químicos (ácido salicílico, glicólico, retinóico), vaporizador facial (vapor de ozono), LEDs, luz pulsada e fototerapia de luz azul.

Estes tratamentos promovem a drenagem das glândulas sebáceas, reduzindo a produção de sebo e, por conseguinte, a formação de comedões, pápulas e pústulas. São ainda capazes de controlar a inflamação e a infeção bacteriana e tratar as cicatrizes1,4.

Podemos ainda dividir os tratamentos cosméticos em duas categorias, aqueles eficazes contra as cicatrizes da acne e aqueles eficazes contra as manchas, como veremos abaixo:

Tratamentos eficientes contra cicatrizes

  • Preenchimento facial com ácido hialurônico e gordura;
  • Peelings químicos;
  • Dermoabrasão;
  • Microdermoabrasão;
  • Laser, LEDs e Luz pulsada;
  • Microcirurgias para remover as cicatrizes de acne.

Tratamentos eficientes contra manchas

  • Peeling;
  • Cremes com ácidos retinóico e azelaico;
  • Laser;
  • Microagulhamento;
  • Radiofrequência.

Conclusão

Conclui-se desta forma que, quando prescrito por um médico dermatologista, o tratamento da acne é meticuloso, já que leva em consideração diversos fatores, como a gravidade da doença, o tipo de lesão e, até mesmo, a capacidade da pessoa de reagir positivamente ao tratamento.

A acne é uma doença passível de tratamento, mesmo em graus mais severos, sendo ainda possível amenizar a aparência das cicatrizes e das manchas deixadas pela acne. Por isso, não podemos deixar de recomendar que procure ajuda de um especialista de forma a tratar a doença atempadamente, prevenido assim que o seu estado se agrave e que surjam problemas irreversíveis.

Por fim referir que, em nenhuma circunstância, deverá fazer uso de alguma das substâncias acima referidas sem o devido acompanhamento por um médico dermatologista.

Bibliografia

  1. ZUCHETO, Gabrieli; BRANDÃO, Mariana; TASQUETTO, Ana; ALVES, Marta. Acne e seus tratamentos: uma revisão bibliográfica. XV Simpósio de Ensino Pesquisa e Extensão. Outubro, 2011.
  2. Sociedade Brasileira de Dermatologia – SBD. Acne.
  3. VAZ, Ana Lúcia. Acne vulgar: bases para o seu tratamento. RPMGF – Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar. Portugal, 2003.
  4. BRENNER, Fabiane Mulinari et al. Acne: um tratamento para cada paciente. Revista de Ciências Médicas. Campinas. Junho, 2006
  5. SILVA, Christiely Aparecida da et al. Roacutan: atuação da esteticista nos tratamentos de acne grau III. Repositório – Universidade Vale do Rio Verde. Minas Gerais, 2019.
  6. FIGUEIRED, Américo et al. Avaliação e tratamento do doente com acne – Parte II: Tratamento tópico, sistémico e cirúrgico, tratamento da acne na grávida, algoritmo terapêutico. Revista Portuguesa de Clínica Geral. Portugal, 2011.
  7. SCHMIDT, Gabriela Manteli; SILVA, Cristiane de Bona da. Isotretinoína: utilização no tratamento sistêmicos da acne e aspectos fundamentais para a atenção farmacêutica. Informa. São Paulo, 2009.
  8. DINIZ, Danielle Guimarães Almeida et al. Isotretinoína: perfis farmacológico, farmacocinético e analítico. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. Dezembro, 2002.